17 01, 2017

Mercado I: Comedoria

Por |janeiro 17th, 2017|Comida de rua, Peixe, Quiosque, Regional, Sanduíche, São Paulo, Típicas|0 Comentários|

“Gosto do bairro de Pinheiros”, dificilmente encontra-se um paulistano que discorda dessa afirmação. Pinheiros (na zona Oeste da cidade de São Paulo, próximo às margens do rio de mesmo nome) é um bairro contemporâneo, embora seja um dos mais antigos da cidade (alguns dizem que é o mais antigo). Surgiu no século XVI, a partir de aldeias indígenas expulsas de outras localidades pelos portugueses. Mas o bairro começou a se desenvolver mesmo com a chegada dos bondes e do Mercado Municipal de Pinheiros em 1910, na época chamado “mercado dos caipiras”.

Ele perdeu essa alcunha, mas o Mercado continua atrair muita gente, principalmente depois das reformas que o tornaram um novo centro de gastronomia popular. Mas antes vale o histórico: primeiro, seu nome completo é “Mercado Municipal Engenheiro João Pedro Carvalho Neto”. Foi reinaugurado, já no novo endereço, em 1º de março de 1971. O projeto é dos arquitetos Eurico Prado e Luiz Telles. Mas só em 2014, já restaurado, veio o diferencial, o mercado foi atualizado, dando aos paulistanos não apenas um local para compra de produtos, mas sim uma área de reunião e convivência, proposta que contribui para a utilização de áreas dessa tipologia.

Hoje, além dos antigos box do mercado, encontra-se alguns restaurantes consagrados, como o Mocotó, instituto Atá (Alex Atala), e a cevicheria do chef boliviano Checho Gonzales, a Comedoria Gonzales.

Essa foi a nossa primeira escolha. A Comedoria fica no BOX 85, no final da passarela da entrada principal. É um box simples, mas bem resolvido, não há mesas, e o atendimento é feito no balcão ou em poucas mesas altas próximas ao local. Sempre está lotado. Com longas filas, o que, nesse caso, pode significar a apreciação do mercado, sempre colorido e cheio de pessoas peculiares transitando em seus amplos corredores.

O prato principal da casa é, claro, o ceviche. Há quatro opções como suco de manga, suco de milho, cambuci ou gergelim, com peixe ou frutos do mar. O de Cambuci (fruta típica da Mata Atlântica) é curioso. Peixe, suco de cambuci, suco de limão, suco de tomate, cebola roxa, tomate, pimenta dedo de moça, milho verde e farofa. Muitos dizem que os ceviches dali são os melhores de São Paulo, concordo, mas coloco entre os 2 melhores. O ceviche é muito equilibrado, o suco de limão não prevalece (como muitos na cidade), traz pouca acidez e leve ardência da pimenta. Nenhum sabor em evidência, e sim todos os componentes com boa proporção. Vale notar que a porção vem na medida correta, nada daqueles ceviches em pratos fundos que alimentariam 2 pessoas. Isso é um ponto positivo, comida não deve ser servida em grande quantidade, mas sim em boa qualidade.

O Choripán tem origem Argentina, é uma versão de nosso pão com linguiça. Mas com o diferencial: pão crocante, lembra o italiano; linguiça de textura macia, com pimenta; molho vinagrete. Lanche simples feito com qualidade.

Sobremesa: 3 leches, pão de ló com calda de leite e doce de leite. (só o doce de leite já comprova que o bolinho é muito bom!!!)

Atendimento rápido e simpático, com o Checho cumprimentando todos os clientes calmamente, sem perder a velocidade do preparo dos pratos. (aqui vale o comentário, trabalhar com essa quantidade de saídas, e ainda ter que se relacionar com os clientes não é fácil, mas o chef faz isso de modo simpático, vale o respeito e admiração!)

Enfim, um local para repetir, para ir com amigos ou aproveitar que está na região e comer um lanche rápido. Vele pela comida, e ambiente. Ótimo custo benefício. (primeiro post que optamos por 2 diferenciais!)

               

 

Onde: Rua Pedro Cristi (esq. Rua Dr. Manoel Carlos Ferraz de Almeida) – nº 31. BOX 85- Pinheiros – São Paulo – SP – Brasil
Quanto: ceviches: R$ 21,00 (peixe do dia); choripan: R$ 15,00; 3 leches: R$ 9,00; cerveja: R$ 13,00.
Quando: 2ª – sábado: 10:00 – 22:00
Opção Vegetariana: NÃO.
Sugestões: acompanhe com o chopp Coruja (a cerveja viva é melhor, mas o chopp também vale MUITO a degistação).
Como pagar: dinheiro ou cartão.
Estacionamento: Sim, do mercado, mas sempre lotado!
Faz entrega: Não.
Perto do metrô: Sim, Faria Lima (linha Amarela).
Acessibilidade: Não.
Site: –
Telefone:  11. 38138719
Data visita: Dezembro de 2016.
Facebook: https://www.facebook.com/comedoriagonzales/
Observações: -.
Mapa: CLIQUE

 

choripán

ceviche

“3 leches”

 

Mais sobre Pinheiros e o Mercado.

Prefeitura de São Paulo
Wikipedia
Pinheiros
Mercado de Pinheiros 43 anos depois

o mercado no início do século 20.
Fonte: http://www.gazetadepinheiros.com.br/cidades/fotos-guardam-a-historia-de-pinheiros-para-o-futuro-17-08-2012-htm

3 03, 2016

Barnabé…

Por |março 3rd, 2016|Comida de rua, Comida di Buteco, Comida Nordestina, Regional, Restaurantes, São Paulo|0 Comentários|

ba-06

Sim, caso o leitor não more na zona Norte da cidade de São Paulo, será necessário acessar o “Como Chegar” em qualquer aplicativo de GPS… pois é longe (pelo menos para os que moram em outras regiões da cidade)… uma “viagem” até o Parque Edu Chaves, já divisa com o município de Guarulhos. Edu Chaves foi um aviador que, dizem, utilizava o lugar como pista de treino, às margens do Rio Cabuçu de Cima. (talvez o melhor modo de chegar lá… de avião)

E lá temos uma praça, a Praça Comandante Eduardo de Oliveira, com a simpática igreja da paróquia de Nossa Senhora Aparecida. E na praça, o Barnabé… restaurante típico de comida nordestia… e vale a pena conhecer… mesmo sendo tão tão distante.

Primeiro o ambiente. É divertido e reproduz a iconografia nordestina, com diversas referências da cultura do nordeste do país. É um ambiente familiar, com a conversa nas mesas da rua, com a família que vai almoçar e com a cordialidade das pessoas que aparentam conhecer cada novo cliente que chega.

Assim é também o atendimento, cordial. A falta de treinamento profissional não é uma falha, deixa sim a conversa com os atendentes bem mais humana.

Mas são os pratos servidos que forçam o interessado em boa comida a fazer um tour pela zona Norte de São Paulo (que precisamos explorar mais, pois há ótimas opções por lá!). Então…

Entrada: torresmo, crocante por fora, muito macio por dentro. Esqueça a quantidade de calorias que com certeza minimizará em alguns meses a previsão de tempo de vida e experimente… Talvez o prazer faça ganhar esses meses perdidos de novo.

Outra entrada: queijo coalho assado com mel de engenho. (mel de engenho é feito com o caldo de cana evaporado e com o açúcar concentrado). Mais alguns meses aqui…

Porção: carne de sol puxada na manteiga de garrafa, com pimenta biquinho, cebolinha pérola, alho assado (!!), e mandioca frita… acredito que a foto abaixo é suficiente.

Sobremesa: sorvete da casa, sorvete artesanal de nata, com muito doce de leite caseiro e castanha de caju…. ok, muito bom, mas…

Mas tinha a tal da taça Gravatá, com sorvete de graviola, com geleia de morango orgânico, com bolo pão de ló e com biscoito crocante de coco….

Há muitos outros pratos para provar no local. Valendo então o retorno, não apenas pelo bom custo x benefício, mas pela comida mesmo.

COMIDA

Carne de sol

Carne de sol

Onde: Praça Comandante eduardo de Oliveira, 141 – Pq. Edu Chaves, São Paulo, SP.
Quanto: Torresmo (porção): R$ 6,50. Queijo Coalho: R$ 6,50. Carne de Sol: R$ 39,90. Taça Gravatá: R$ 13,90. Sorvete da casa: R$ 10,90.
Quando: segunda a quinta 12-23h. Sábado 12.00h. Domingos: 12-17h.
Opção Vegetariana: não.
Sugestões: “vail lá”.
Como pagar: dinheiro ou cartão.
Estacionamento: Não.
Faz entrega: Não
Perto do metrô: não… não mesmo.
Acessibilidade: Não.
Site: http://www.barnaberestaurante.com.br/
Telefone:  (11) 2242 2435
Data visita: Fevereiro de 2016.
Facebook: –
Observações: -.
Mapa: CLIQUE

Torresmo

Torresmo

Queijo coalho com mel de engenho

Queijo coalho com mel de engenho

Sorvete da casa, com doce de leite

Sorvete da casa, com doce de leite

Taça Gravatá

Taça Gravatá

12 07, 2015

Bom e Barato

Por |julho 12th, 2015|Comida caseira, Comida de rua, Comida di Buteco, PF, São Paulo|0 Comentários|

IT01

Caminhar e almoçar no centro de São Paulo, duas atividades irmãs. Escolher um restaurante no centro dessa populosa cidade é também conhecer um pouco de suas construções, praças e histórias. O restaurante ITA está na rua do Boticário desde 1953, conforme indica a placa afixada em sua fachada.

Essa rua une a Avenida Ipiranga ao Largo do Paiçandu, e só é conhecida pela presença desse bar/restaurante, conforme comentaremos abaixo. Mas antes é interessante lembrar do largo ali ao lado, cujo nome, Paiçandu (a grafia refere-se à origem indígena, ou Paissandu na grafia arcaica) vem de um fato histórico, a tomada da localidade do Paysandu no Uruguai em 1865. Mas vale atenção especial à uma igreja ali existente, a Igreja de Nossa Senhora do rosário dos homens Pretos, existente desde o século XVII (em outra área de São Paulo), mas edificada ali no início do século XX.

Voltando ao ITA, é um restaurante de balcão, com aproximadamente 40 lugares apertados. O ambiente preserva a simplicidade das décadas passadas, com alguns azulejos, balcão em mármore e fachada simples com toldos verdes. Os atendentes aparentam estar ali há décadas, com muito bom humor e respostas prontas para cada pergunta feita pelos clientes, repetidas provavelmente a cada dia, o que permite tiradas engraçadas que deixam de bom humor todos que ali sentam para almoçar.

Os pratos servidos são os típicos, bife com ovo, arroz, feijão, fritas, carne assada, bisteca, bife a milanesa, etc, etc, etc… o que numa primeira visita causa dúvidas sobre o que provar.

O eleito foi o prato “santista” com bife a milanesa, arroz e feijão. E um mini pão francês para acompanhar, uma cortesia sempre bem vinda. Bem feito, na temperatura correta, bom tempero, um bom “PF” (“prato feito” para quem nunca comeu num bar) ou “comercial”. Só, e é muito bom. Não espere nada diferente, é a comida caseira típica, confortável e bem feita.

Há também doces. Como o pudim (ótimo!), creme de abacate, manjar de coco e abóbora.

Preços justos e contas calculadas de cabeça num pequeno papel. Vale a experiência! E vale a comida!!

AMBIENTE

Milanesa e fritas

Milanesa e fritas

Onde: R. do Boticário, 31. – Centro, São Paulo, SP.
Quanto: pratos entre R$ 12,00 e R$ 20,00 (PF).
Quando: segunda a sábado. 11:00- 20:00h.
Opção Vegetariana: não.
Sugestões: parece que tem um bacalhau muito bom, com vinho, que provaremos em breve.
Como pagar: dinheiro ou cartão.
Estacionamento: Não.
Faz entrega: Não.
Perto do metrô: São Bento e República.
Acessibilidade: Não.
Site: –
Telefone:  (11) 3223-3845
Data visita: Julho de 2015.
Facebook: –
Observações: -.
Mapa: CLIQUE

arroz e feijão...

arroz e feijão…

pudim de leite

pudim de leite

creme de abacate com limão

creme de abacate com limão

Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos (foto: Eric Zompero)

Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos (foto: Eric Zompero)

Para saber mais:
Largo do Paiçandu e Igreja

30 06, 2015

O REI!

Por |junho 30th, 2015|Comida de rua, Comida di Buteco, Lanchonete, Sanduíche|0 Comentários|

rei 3

O Centro de São Paulo sempre colabora com surpresas agradáveis.

Perto da famosa Rua Direita, temos a Rua Quintino Bocaiúva, e no número 17 o não tão conhecido “O Rei da Calabresa”… (E é com “S”, não “Z”). Pode ser um pouco difícil de localizar para os que não conhecem o centro, mas vale a expedição.

Uma pequena porta aberta desde 1949, sem indicação, sem logotipo, uma vitrine onde a linguiça é assada, um pequeno corredor e só. Simplicidade das lanchonetes do centro, com seus inúmeros cartazes com preços do sanduíches e sucos servidos.

O pedido é feito e rapidamente entregue, para ser consumido no pequeno balcão espelhado, também típico nesses estabelecimentos.

O lanche é tradicional, com molho vinagrete, há opção de peito de lombo ou peito de frango. Optamos pelo lombo, claro. O embutido é saboroso e curiosamente leve e pouco apimentado. Acompanha suco de uva, laranja ou caju.

Vale o retorno pela curiosidade e lanche rápido no centro de São Paulo.

AMBIENTE

sanduíche de calabresa e suco de tangerina

sanduíche de calabresa e suco de tangerina

Onde: Rua Quintino Bocaiúva, 17. Centro. São Paulo, SP.
Quanto: Promoção sanduiche de calabresa e suco: R$ 8,50.
Quando: segunda à sexta, 7:00 às 20:00.
Opção Vegetariana: não.
Sugestões: vire a esquina e veja um painel de Di Cavalcanti.
Como pagar: dinheiro ou cartão.
Estacionamento: Não.
Faz entrega: Não.
Perto do metrô: Sim, Estação Sé.
Acessibilidade: Não.
Site: –
Telefone:  (11) 3106-6406
Data visita: Junho de 2015.
Facebook: –
Observações: -.

difícil de achar, mas não impossível...

difícil de achar, mas não impossível…

painel de Di Cavalcanti, deteriorado... :/

painel de Di Cavalcanti, deteriorado… :/

Para saber mais sobre Di Cavalcanti: https://pt.wikipedia.org/wiki/Di_Cavalcanti

30 06, 2015

PASV

Por |junho 30th, 2015|Comida caseira, Comida de rua, Comida di Buteco, PF, Restaurantes, São Paulo|0 Comentários|

logo

“…. quando cruza a Ipiranga com a Aveniiiida São João….” é ali na São João mesmo, importante e histórica via da cidade de São Paulo, e algumas quadras depois da Avenida Ipiranga onde encontramos o PASV (o nome é decorrente das iniciais dos sócios proprietários)… fica situado pouco antes da avenida ser encoberta pelo tão discutido “Minhocão” (ou o Elevado Costa e Silva em homenagem o presidente e militar da década de 1960), permanece num trecho quase deserto da rua, mas não por isso é pouco frequentado, aliás, sempre encontrará esse estabelecimento frequentado por uma diversificada clientela… desde famílias, casais de idosos e jovens em busca de uma boa e bem servida comida caseira.

O restaurante, de origem espanhola, possui um ótimo atendimento. O proprietário, Sr. Ramon, um senhor simpático e observador atende no balcão, demonstra preocupação com o atendimento e gentilmente oferece os pratos do cardápio. Só nesse quesito já vale a visita. Bom atendimento é essencial.

O ambiente é tradicional, da década de 60, com azulejos coloridos nas paredes, balcão de fórmica e motivos decorativos espanhóis. É tudo muito simples, mas não perde o conforto e acolhimento.

Ao chegar, a primeira escolha, mesas ou balcão… claro, balcão, tradicional e possibilitando uma melhor conversa com os atendentes e proprietários. Já sentado é oferecido a entrada com pão francês e uma batida de maracujá (aceite, é bom para iniciar o almoço!) mais escolhas, o amplo cardápio. Mas dessa vez a escolha foi rápida, o prato do dia.

O prato do dia era a dobradinha. Segunda é dia de virado à moda; terça a dobradinha, também “á moda”. Quarta feijoada; quinta ossobuco com purê e arroz; sexta feira, rabada á moda, sábado feijoada novamente e domingo cozido à espanhola! Ou seja, o retorno é garantido.

A dobradinha é um prato português, feita com bucho (estômago) de animais. Nessa versão espanhola há diversos tipos de carnes, como frango, linguiça, carne seca e claro, bucho. Para os desavisados parece estranho, mas é MUITO saboroso. O prato com feijão branco não possui excesso de tempero, ficando o sabor dos alimentos mais marcantes. Possui ainda batata  e cenoura cozidas, tomate, paio e toucinho. Sim, é importante pedir pimenta, como já sabem os leitores temos essa necessidade, e o prato com  pimenta fica muito mais saboroso. Tudo muito equilibrado e bem servido. Comida típica caseira, sem excesso de temperos.

Apesar do bom atendimento e clima simpático, a visita vale pela comida mesmo!

COMIDA

Dobradinha à moda, acompanha arroz.

Dobradinha à moda, acompanha arroz.

 

Dobradinha, não esqueça da pimenta.

Dobradinha, não esqueça da pimenta.

Onde: Av. São João, 1.145. Centro. São Paulo, SP.
Quanto: Dobradinha: R$ 28,00. refrigerante: R$ 4,00. Caipirinha: R$ 10,00. Feijoada Grande: R$ 70,00.
Quando: segunda à domingo, 11:30 às 23:30.
Opção Vegetariana: saladas, espaguete alho e óleo e ao sugo.
Sugestões: Vá sem pressa.
Como pagar: dinheiro ou cartão.
Estacionamento: Não.
Faz entrega: Não.
Perto do metrô: Sim, Estação Santa Cecília e República. Não muito perto, mas vale a caminhada pelo centro.
Acessibilidade: Não.
Site: http://www.pasvrestaurante.com.br/
Telefone:  (11) 3221-2715 ou (11) 3333-0848
Data visita: Junho de 2015.
Facebook: https://www.facebook.com/pages/PASV-Restaurante/225656377445254
Observações: -.

bem servida e com ótima apresentação.

bem servida e com ótima apresentação.

por último (mas pedir primeiro) a batida de maracujá.

por último (mas pedir primeiro) a batida de maracujá.

16 05, 2014

Kebab Paris…. em Pinheiros, São Paulo

Por |maio 16th, 2014|Árabe, Comida de rua, São Paulo|0 Comentários|

02

O bairro de Pinheiros, na Zona Oeste da cidade de São Paulo possui incríveis restaurantes e ótimas lanchonetes, como já sabem bem os paulistanos. E atualmente quanto mais diferente melhor, lanchonetes com menus diferenciados, espaços que causam novas experiências aos comensais e arquiteturas únicas.

Já o Kebab Paris é simples, uma portinha na rua dos Pinheiros, com uma pequena cozinhas, mesas na rua (4) e um pequeno salão no piso superior, mas não decepciona. Aliás, trouxe uma ótima surpresa, o kebab é muito bom!!! E vale a visita para os curiosos que não imaginam o que seja um kebab, ou para os já experientes provarem um ótimo!

O kebab é uma iguaria libanesa, mas adaptado ao gosto brasileiro virou uma espécie de sanduiche, geralmente leva carnes, com especial atenção à de cordeiro, todas oferecidas na lanchonete.

Optamos entretanto por uma das variáveis vegetarianas, o kebab de falafel (bolinho frito de grão-de-bico com alho, salsa, coentro, cominho e etc.). Ele vem no flat bread com coalhada seca, alface, tomate, pepino, repolho,  cebola roxa, berinjela, molho de hortelã e Tahine (pasta de gergelim).

O sanduiche vem com fritas. Também ótimas! (ok, batata frita é difícil não ser boa…)

Há cerveja, e suco de uva. Já o atendimento não é dos melhores, mas ok, é quase um bar… mesmo assim vale a visita pelo seguinte motivo:

COMIDA

kebab de falafel

kebab de falafel

Onde: Rua dos Pinheiros, 169. São Paulo – SP.
Quanto: entre R$ 18 e R$ 25 (kebabs).
Quando: segunda a quinta: 12h às 24h. sexta: 12h às 2h. sábado: 13h às 2h. domingo: 18h às 24h.De segunda a sábado, das 12 às 22h.
Opção Vegetariana: sim.
Sugestões: abuse do molho de pimenta!
Como pagar: dinheiro ou cartão.
Estacionamento: Não.
Faz entrega: Sim.
Perto do metrô: Não.
Acessibilidade: Não.
Site: –
Telefone: 11.4564-4336
Data visita: Maio de 2014.
Observações: –

mais falafel.... e batata

mais falafel…. e batata

 

 

14 02, 2014

… cão véio mano…

Por |fevereiro 14th, 2014|Bar, Bares, Cerveja, Comida de rua, Comida di Buteco, Restaurantes, Sanduíche, São Paulo|0 Comentários|

cv-01

Rock,n roll e bom atendimento. Garçons com cara de bravos, mas simpáticos e, o melhor, conhecem os pratos e as bebidas que servem. Ambiente lotado de referências visuais, com quadros estranhos, móveis vintages, mas muito agradável.

É o Cão Véio, Bar cheio de contradições, mas um dos primeiros que valem a postagem neste blog. Porque o que vale é a experiência, e esse lugar proporciona isso. Ambiente agradável, atendimento especializado e cordial, uma boa carta de cervejas e a comida, ótima, equilibrada, bem produzida.

O Cão Véio é um desses bares que surpreendem. Pelos motivos acima citados e outros. Como o fato de ser um empreendimento do consagrado Chefe Henrique Fogaça (do Sal Gastronomia) e do Badauí, da banda CPM 22. Aí não tem erro, a boa comida e rock’n roll são certezas nesse bar.

Mas ok, temos os pratos (pois as cervejas deixaremos por último!!). Foram provados 3. O primeiro e mais pedido, o Fila Brasileiro, com filé mignon empanado, queijo gruyere e gorgonzola, acompanha um molho picante, mas nem tanto. Querendo algo realmente ardido, peça o “Colírio pro zóio”, pimenta da casa que é servida com conta-gotas, também à venda para os corajosos levarem para casa. Os leitores sabem que adoramos pimenta, e já não ligamos para índices de ardência abaixo de 50 mil, logo essa pimenta nos surpreendeu, ela é ótima!

O segundo prato foi um também ardido, Bicho do Mato, com muito jalapeño e linguiça de cateto gratinada. É um daqueles pratos que cada garfada provoca sabores diferentes. É picante na medida certa, mas desaconselhável para os mais sensíveis, peça harmonização com alguma cerveja de trigo. O último prato, um tipo de escondidinho de carne desfiada de cabrito, muito macia, e queijo gratinado. A sugestão é simples, peça essa prato. TAMBÉM.

Vale já citar que os preços são justos, fato difícil de encontrar em bares similares.

Às cervejas então.

Vou começar pela última, a espahola Estrella Damm Inedit, onde o renomado chefe catalão Ferran Adriá colocou sua mão, acrescentando toques de casca de laranja e alcaçuz. É uma das certas pedidas.

Seguem: a refrescante cerveja escocesa Brew Dog Dead Pony Club. A curitibana Diabólica, uma India Pale com 6,66% de graduação alcoólica. A já consagrada All Day IPA da americana Founders Brewing. Na sequência, ufa, a Houblon Chouffe, uma cerveja belga  amarga, conhecida como cerveja do duende por razões óbvias. (caso não seja tão óbvio, veja o rótulo, e não, não é devido à alta graduação alcoólica de 9%.).

Esse é um daqueles bares que certamente retornaremos, sugestão do amigo José Maria.

Difícil escolher qual o diferencial do restaurante, o ambiente é ótimo, o atendimento idem, mas a comida realmente é o melhor. Então, a escolha é pela…

COMIDA

 clique nas fotos para ampliar

escondidinho, fila brasileiro e ojalapeño com linguiça de cateto.

escondidinho, fila brasileiro e ojalapeño com linguiça de cateto.

A refrescante Brew Dog Dead Pony Club, a diabólica, e a houblon chouffe

A refrescante Brew Dog Dead Pony Club, a diabólica, e a houblon chouffe

Onde: Rua João Moura, 871. Pinheiros. São Paulo – SP.
Quanto: Porções: entre R$ 15,00 e R$ 30,00. Cervejas: entre R$ 10,00 e R$ 50,00
Quando: 2ª-6ª (16H-00H); sábado (16h-01h). Domingo não.
Opção Vegetariana: NÃO!
Sugestões: peça sugestão de harmonização entre os pratos e cervejas.
Como pagar: dinheiro ou cartão.
Estacionamento: Não.
Faz entrega: Não.
Perto do metrô: Estação Clínicas.
Acessibilidade: não.
Site: –
Telefone: 11.4371-7433
Data visita: Fevereiro de 2014.
Observações: optamos por um horário tranquilo, mas o bar costuma ficar bem cheio. E por último: SE BEBER, NÃO DIRIJA.

 

A melhor, a espanhola Estrella!

A Hardcore IPA, e a melhor de todas, a espanhola Estrella!